Gastrite nervosa: o que é, sintomas e tratamento

A gastrite nervosa, também conhecida como dispepsia funcional, é uma doença do estômago que, apesar de não causar inflamação no estômago como a gastrite clássica, também provoca sintomas como azia, queimação e sensação de estômago cheio, e surgem devido a questões emocionais, como stress, ansiedade e nervosismo.

Este tipo de gastrite tem cura, e pode ser tratado com mudanças na alimentação e com o uso de medicamentos com efeito antiácido e calmante da mucosa, que evitam a azia e o aumento do nervosismo, entretanto, deve-se lembrar que o controle emocional é parte essencial do tratamento.

Gastrite nervosa: o que é, sintomas e tratamento

Sintomas de gastrite nervosa

Os sintomas de gastrite nervosa podem surgir a qualquer momento, no entanto são mais evidentes em períodos de estresse ou ansiedade, sendo os principais:

  • Dor no estômago em forma de pontada;
  • Enjoo e vômitos;
  • Sensação de estômago cheio;
  • Barriga inchada e dolorida;
  • Arrotos frequentes;
  • Sensação de estômago cheio;
  • Mal estar geral, devido à digestão mais lenta;
  • Dor de cabeça;
  • Perda de apetite.

Alguns desses sintomas também podem estar presentes em outros tipos de gastrite e confundir o diagnóstico da doença. Saiba diferenciar os tipos de gastrite e como é feito o tratamento.

Teste de sintomas

Para saber o risco de estar com gastrite nervosa, assinale no teste a seguir os sintomas que possa estar apresentando:

  1. 1. Dor de estômago constante e em forma de pontada
  2. 2. Sensação de enjoo ou de estômago muito cheio
  3. 3. Barriga inchada e dolorida
  4. 4. Digestão lenta e arrotos frequentes
  5. 5. Dor de cabeça e mal-estar geral
  6. 6. Perda de apetite, vômitos ou ânsia de vômito
Imagem que indica que o site está carregando

Principais causas

A gastrite nervosa acontece principalmente devido a situações emocionais, como ansiedade, estresse e nervosismo, o que leva ao aumento da produção de suco gástrico, resultando no desenvolvimento dos sintomas de gastrite. Como não há inflamação do estômago, a gastrite nervosa não pode virar câncer, já que durante o exame de endoscopia digestiva não mostra a presença de erosões no estômago.

Como é feito o tratamento

O tratamento para gastrite nervosa deve ser indicado pelo gastroenterologista de acordo com os sintomas apresentados pela pessoa, sendo normalmente indicado o uso de remédios antiácidos ou que diminuem a produção de acidez do estômago, como Omeprazol ou Pantoprazol.

No entanto, não é recomendado o uso contínuo desses medicamentos, pois pode causar dependência e, por isso, o ideal é tratar as questões emocionais que provocam os sintomas, com psicoterapia, técnicas de relaxamento, como meditação, além de uma dieta equilibrada e prática regular de atividade física.

Além disso, alguns remédios naturais podem também ajudar a aliviar os sintomas da gastrite nervosa, como o chá de camomila, de flor de maracujá e o de alfazema. A camomila possui propriedades calmantes que ajudam a acalmar as paredes do estômago diminuindo os sintomas da gastrite e a acalmar o sistema nervoso para lidar com as emoções e o estresse, sendo recomendado que seja tomado 2 a 3 vezes por dia para ativar o seu efeito calmante.

Alimentação para gastrite nervosa

Os alimentos indicados para tratar a gastrite nervosa são aqueles de fácil digestão e que têm efeito calmante, como carnes magras cozidas ou grelhadas, peixes, vegetais cozidos e frutas sem casca. Logo após uma crise de dor e mal-estar, deve-se beber bastante água e retomar a alimentação aos poucos, utilizando temperos naturais e evitando a ingestão de leite.

Os alimentos que devem ser evitados são aqueles ricos em gordura e que irritam o estômago, como carne vermelha, linguiça, bacon, salsicha, frituras, chocolate, café e pimenta. Além disso, para prevenir novas crises de gastrite deve-se parar de fumar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas, chás artificiais, refrigerantes e água com gás.

Outros cuidados importantes são não se deitar logo após as refeições, evitar beber líquidos durante as refeições, comer devagar e se alimentar em locais tranquilos.

Veja mais detalhes sobre o que comer em caso de gastrite:

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • ANTUNES, Mariana O. et al. Ansiedade e estresse em indivíduos diagnosticados com gastrite. Revista Bionorte, v. 4, n. 1, fev. 2015. Disponível em: http://revistabionorte.com.br/arquivos_up/artigos/a.pdf . Acesso em 27/01/2020.
  • PSICOLOGADO. O Estresse como Fator Desencadeador da Gastrite Crônica: Resposta Fisiológica ou Psicossomática?. Edição 07/2016. . Acesso em 27 Jan 2020
Mais sobre este assunto: