Pedra na bexiga: o que é, sintomas, causas e tratamento

A pedra na bexiga, também chamada de cálculo vesical ou litíase vesical, é uma massa dura, semelhante a pedra, que pode se formar quando os minerais presentes na urina se cristalizam e se juntam na bexiga, o que pode ser devido ao esvaziamento incompleto da bexiga ao urinar, secundário à diminuição da contração da bexiga por danos nos nervos ou próstata aumentada em homens, por exemplo. 

Geralmente, essas pedras são formadas por sais de cálcio, ácido úrico, fosfato-amônio magnésio e/ou cistina, e muitas vezes, mesmo quando são grandes, podem não causar sintomas. No entanto, se a pedra irritar a bexiga ou bloquear a passagem da urina pode causar sintomas como dor ou dificuldade ao urinar, interromper o fluxo da urina e aumento da frequência urinária.

Por isso, na presença de sintomas indicativos de pedra na bexiga, é importante consultar o urologista para que sejam feitos exames e iniciado o melhor tratamento.

Pedra na bexiga: o que é, sintomas, causas e tratamento

Sintomas de pedra na bexiga

Os sintomas de pedra na bexiga surgem quando a pedra causa uma irritação na bexiga ou bloqueia a passagem da urina, e incluem:

  • Dor ao urinar, especialmente no final da micção;
  • Dor abdominal inferior, que muitas vezes pode ser intensa;
  • Dificuldade para urinar ou para interromper o fluxo da urina;
  • Aumento da frequência para urinar, principalmente à noite;
  • Urina turva ou com cor escura;
  • Presença de sangue na urina;
  • Dor no pênis ou ao redor, em homens.

Além disso, a pedra na bexiga pode provocar infecções urinárias, havendo sintomas como dor ou queimação ao urinar, febre baixa constante ou urina turva com mau cheiro. Saiba identificar os sintomas de infecção urinária.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da pedra na bexiga é feito pelo urologista a partir da avaliação dos sintomas e realização de exame físico, em que é feita a palpação do abdômen com objetivo de verificar se a bexiga está aumentada. No caso dos homens pode também ser realizado o exame de toque retal para avaliar o tamanho da próstata.

Além disso, para confirmar a presença da pedra na bexiga, o médico deve solicitar exames como exame de urina, para avaliar a presença de sangue, pus, bactérias e minerais cristalizados, e exames de imagem como ultrassom da bexiga, raio-X do abdômen ou tomografia computadorizada, que permite ver imagens nítidas da bexiga e, assim, identificar a presença das pedras.

Em alguns casos, o médico também pode solicitar um exame chamado cistoscopia, que pode ser feito no consultório médico sob anestesia local, utilizando um aparelho fino que possui uma microcâmera na sua extremidade para olhar dentro da bexiga e verificar a presença de pedras. Entenda melhor o que é o exame de cistoscopia e como é feito.

Principais causas

As pedras na bexiga geralmente se formam por não esvaziar completamente a bexiga ao urinar, fazendo com que a urina fique mais concentrada, aumentando a chance de formação de cristais de sais de cálcio, ácido úrico, urato de amônio, fosfato de cálcio-amônio-magnésio e/ou cistina.

No entanto, alguns fatores podem aumentar o risco de desenvolvimento de pedras na bexiga, como:

  • Infecções urinárias, pois pode afetar a capacidade da bexiga de reter, armazenar ou eliminar a urina;
  • Aumento da próstata em homens, também chamada de hiperplasia prostática benigna, que pode levar a uma obstrução do canal da urina, impedindo que a bexiga se esvazie completamente;
  • Queda da bexiga após o parto, também chamada de cistocele, bexiga baixa ou prolapso da bexiga, que é uma condição em que os músculos e ligamentos do pavimento pélvico não conseguem segurar a bexiga exatamente em seu lugar, fazendo com que a bexiga “caia” pela vagina, bloqueando o fluxo de urina; 
  • Danos nos nervos que fazem a comunicação entre o cérebro e a bexiga, causados por AVC, lesão na medula espinhal, doença de Parkinson, diabetes ou hérnia de disco, ou espinha bífida em crianças, por exemplo, podendo levar a diminuição da contração da bexiga, diminuindo o esvaziamento completo e a eliminação da urina;
  • Uso de cateter vesical, que são tubos finos usados para drenar a urina, podem acumular cristais no tubo, levando ao desenvolvimento da pedra na bexiga. Geralmente, isso ocorre quando o cateter é usado por mais tempo do que o período recomendado;
  • Pedra nos rins, que podem se deslocar pelos canais da urina e chegar até a bexiga. Quando essas pedras não são eliminadas, podem permanecer na bexiga, resultando nos sintomas.

É importante que a causa que levou à formação da pedra na bexiga seja identificada pelo urologista para que seja possível iniciar o tratamento mais adequado.

Como é feito o tratamento

O tratamento da pedra na bexiga é feito pelo urologista que deve orientar beber muita água para tentar eliminar a pedra da bexiga naturalmente, caso sejam cálculos pequenos. No entanto, como a pedra na bexiga geralmente é causada pelo esvaziamento vesical incompleto, beber muita água pode não ser suficiente para eliminá-las.

Nesse caso, o urologista pode indicar tratamentos como: 

  • Cistolitotripsia transuretral: é o tipo de tratamento mais comum para pedra na bexiga, em que o médico insere um pequeno tubo fino com uma câmera e um dispositivo a laser ou ultrassom, pelo canal da urina até a bexiga, para quebrar a pedra em fragmentos menores, que podem ser lavados para fora da bexiga com fluidos;
  • Cistolitotripsia suprapúbica percutânea: esse tipo de tratamento é semelhante a cistolitotripsia transuretral, no entanto, é mais indicado para crianças para evitar danos no canal da urina. Nesse tratamento, o médico faz um pequeno corte na parte inferior do abdômen para alcançar a bexiga e quebrar as pedras em pedaços menores através do laser ou ultrassom;
  • Cistolitotomia: é um tipo de cirurgia aberta, feita da forma convencional, com um corte na pele na parte inferior do abdômen, para remover as pedras da bexiga, sendo mais indicado nos casos de homens com a próstata aumentada ou nos casos de pedras grandes ou pedras muito difíceis de quebrar pelos outros métodos de tratamento. 

Esses tratamentos são realizados nos hospitais e a pessoa não sente dor, pois recebe anestesia geral ou um remédio para sedação leve.

Como prevenir

Algumas medidas simples podem ajudar a prevenir a formação de pedra na bexiga, como beber de 2 a 3 litros de água por dia, para deixar a urina mais diluída e diminuir o risco de formação de cristais na bexiga, e urinar quando sentir vontade, esvaziando completamente a bexiga. 

Além disso, é recomendado urinar novamente, 10 a 20 segundos após a primeira tentativa, no caso de não conseguir esvaziar a bexiga completamente na primeira vez.

No caso de homens, é importante realizar exame de toque retal para avaliação da próstata, para que o médico possa avaliar se a mesma está aumentada, especialmente para homens a partir dos 50 anos com ou sem sinais e sintomas de alteração no órgão. Veja como é feito o toque retal e quais as outras indicações desse exame.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • CICIONE, A.; et al. Bladder stone management: an update. Minerva Urol Nefrol. 70. 1; 53-65, 2018
  • NEVO, A.; et al. Does bladder stone composition predict kidney stone composition?. Can J Urol. 27. 6; 10450-10455, 2020
  • MCQUEEN, T. S.; DYER, R. B. A "hanging" bladder stone. Abdom Radiol (NY). 42. 12; 2959-2961, 2017
  • TORRICELLI, Fabio Cesar Miranda; et al. Tratamento cirúrgico da litíase vesical: revisão de literatura. Rev. Col. Bras. 40. 3; 227-233, 2012
  • LESLIE, S. W.; SAJJAD, H.; MURPHY, P. B. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Bladder Stones. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK441944/>. Acesso em 15 Set 2021
  • HALSTEAD, S. B. Epidemiology of bladder stone of children: precipitating events. Urolithiasis. 44. 2; 101-8, 2016
Mais sobre este assunto: