Principais remédios para gastrite

Os remédios para gastrite, como omeprazol ou ranitidina, ajudam a reduzir a produção de ácido ou neutralizar a acidez no estômago, permitindo sua cicatrização e aliviando os sintomas como dor, azia, sensação de queimação ou arrotos frequentes, por exemplo. Além disso, caso a gastrite seja causada por uma infecção pela bactéria H. pylori, pode ser recomendado pelo médico o uso de antibióticos.

Em alguns casos, a gastrite pode ser causada por maus hábitos como uso excessivo de anti-inflamatórios não esteroides, má alimentação ou consumo excessivo de bebidas alcoólicas e, nestes casos, é importante evitar o uso das substâncias que causam a irritação no estômago, além de fazer mudanças na alimentação. Saiba como deve ser a alimentação para gastrite.  

O tratamento da gastrite com remédios deve ser sempre orientado pelo gastroenterologista, que pode associar um ou mais medicamentos.

Principais remédios para gastrite

Os principais remédios indicados pelo gastroenterologista para o tratamento da gastrite são:

1. Inibidores da produção de ácido

Os inibidores da produção de ácido são os remédios mais usados no tratamento da gastrite, sendo divididos em dois tipos de acordo com sua ação e incluem:

Inibidores da bomba de prótons

Os inibidores da bomba de prótons, como omeprazol, esomeprazol, pantoprazol ou lansoprazol, por exemplo, agem reduzindo a produção de ácido no estômago, através da inibição da bomba de prótons presente nas células da parede do estômago. Desta forma, esses remédios permitem a cicatrização do estômago e ajudam a diminuir os sintomas da gastrite como dor, sensação de queimação no estômago ou arrotos frequentes.

Esses remédios devem ser usados com indicação do gastroenterologista pois podem causar efeitos colaterais como problemas nos rins, dor de cabeça, diarreia, formação de bolinhas na pele, dor abdominal, produção excessiva de gases intestinais, náuseas, prisão de ventre ou deficiência de vitamina B12. 

Antagonistas dos receptores da histamina

Os antagonistas dos receptores da histamina, como cimetidina, nizatidina ou famotidina, agem inibindo a produção de ácido pelo estômago, por se ligarem em regiões nas células da parede do estômago, impedindo a ação da histamina, que quando ativada aumenta a produção de ácidos.

Esses remédios devem ser indicados pelo médico e são relativamente eficazes no tratamento da gastrite, com um início de ação rápido que pode durar por até 12 horas. No entanto, pessoas que não apresentam melhora dos sintomas de dor ou sensação de queimação no estômago, até 6 semanas após o início do tratamento, devem consultar novamente o gastroenterologista para alterar a dose ou mudar de tratamento.

Os efeitos colaterais mais comuns provocados pelo uso destes medicamentos são diarreia, dor de cabeça, sonolência, cansaço, dor muscular ou prisão de ventre.

2. Antiácidos

Os antiácidos, como hidróxido de alumínio, hidróxido de magnésio, carbonato de cálcio ou bicarbonato de sódio, agem neutralizando rapidamente o ácido do estômago fazendo com que o estômago seja menos agredido pelo ácido, o que permite aliviar temporariamente o desconforto causado pela gastrite como dor, azia ou sensação de queimação.

No entanto, os antiácidos não curam a inflamação do estômago e o uso excessivo ou por muito tempo pode causar acidez rebote, que é quando o estômago aumenta a produção de ácido por perceber que a acidez diminuiu e, assim, o desconforto da gastrite pode piorar. 

Além disso, os antiácidos podem causar efeitos colaterais como diarréia, prisão de ventre ou problemas nos rins, e por isso, seu uso deve ser feito sempre com orientação médica.

3. Antibióticos

A maior parte das gastrites são causadas por uma infecção pela bactéria Helicobacter pylori. Nestes casos, o médico pode recomendar uma combinação de antibióticos como a claritromicina associada à amoxicilina ou ao metronidazol, durante 7 a 14 dias.

Alguns dos efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer durante o tratamento com estes antibióticos são diarreia, vômitos, má digestão, náusea, dor abdominal, reações na pele, dor de cabeça, alterações do paladar e insônia.

Quando tomar remédios para gastrite crônica

Os remédios para gastrite crônica devem ser indicados pelo gastroenterologista e podem incluir várias opções de tratamento, como um inibidor da produção de ácido em jejum, um antiácido sempre que os sintomas pioram durante o dia ou um antibiótico em horário certo, por exemplo.

Quando tomar remédios para gastrite aguda

Os casos de gastrite aguda, isto é, uma gastrite que surge repentinamente, devem ser avaliados por um gastroenterologista para identificar a causa e iniciar o tratamento adequado. Entretanto, para aliviar os sintomas até à consulta, a pessoa pode tomar remédios antiácidos quando sentir dor ou a queimação.

Remédio natural para gastrite

Um ótimo remédio natural para gastrite é o suco de couve com mamão e melão, pois esta fruta possui propriedades que ajudam na digestão e diminuem a acidez do estômago, ajudando a aliviar os sintomas.

Outras opções de remédios naturais são o chá de espinheira-santa ou chá de aroeira, pois possuem substâncias que ajudam a diminuir a acidez estomacal e a proteger o estômago do próprio ácido que produz, podendo ser usados para complementar o tratamento indicado pelo médico. Saiba como preparar os remédios naturais para gastrite

Além disso, é importante ter cuidados na alimentação como evitar temperos apimentados, alimentos ácidos, como limão, laranja e abacaxi, e alimentos muito gordurosos ou doces, por exemplo, além de fazer alimentação de leve digestão incluindo alimentos cozidos em água e sal e com pouca gordura, por exemplo.

Assista o vídeo com a nutricionista Tatiana Zanin com dicas de alimentação para gastrite:

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • AZER, S. A.; AKHONDI, H. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Gastritis. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK544250/>. Acesso em 23 Nov 2021
  • SIPPONEN, P.; MAAROOS, H. I. Chronic gastritis. Scand J Gastroenterol. 50. 6; 657-67, 2015
Mais sobre este assunto: