Diabetes tipo 2: o que é, sintomas, causas e tratamento

A diabetes tipo 2 é uma doença crônica caracterizada pela resistência do organismo à insulina e aumento dos níveis de açúcar no sangue, que gera os sintomas clássicos como sensação de boca seca, aumento da vontade para urinar, vontade aumentada para beber água e, até, perda de peso sem causa aparente.

Ao contrário da diabetes tipo 1, a pessoa não nasce com diabetes do tipo 2, desenvolvendo a doença devido a vários anos de hábitos de vida pouco saudáveis, especialmente o consumo excessivo de carboidratos na alimentação e estilo de vida sedentário.

Dependendo do grau da alteração nos níveis de açúcar o tratamento pode passar apenas por fazer algumas alterações na dieta e no estilo de vida, ou então, incluir o uso de remédios, como antidiabéticos orais ou insulina, que devem ser sempre indicados por um médico. A diabetes não tem cura, mas é uma doença que com controle se evitam complicações.

Diabetes tipo 2: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

Se acha que pode estar com diabetes tipo 2, selecione o que está sentindo e descubra qual o seu risco de ter a doença:

  1. 1. Aumento da sede
  2. 2. Boca constantemente seca
  3. 3. Vontade frequente para urinar
  4. 4. Cansaço frequente
  5. 5. Visão turva ou embaçada
  6. 6. Feridas que cicatrizam lentamente
  7. 7. Formigamento nos pés ou mãos
  8. 8. Infecções frequentes, como candidíase ou infecção urinária
Imagem que indica que o site está carregando

Por vezes, estes sintomas podem ser difíceis de identificar e, por isso, uma das melhores formas de vigiar a possibilidade de ter diabetes é fazer exames de sangue recorrentes para ir avaliando os níveis de açúcar no sangue, especialmente em jejum.

Causas de diabetes do tipo 2

Apesar da diabetes do tipo 2 ser mais frequente que a diabetes do tipo 1, as causas ainda não são muito bem esclarecidas. No entanto, sabe-se que o desenvolvimento desse tipo de diabetes é influenciado por um conjunto de fatores, sendo os principais:

  • Excesso de peso;
  • Sedentarismo;
  • Alimentação pouco saudável, principalmente rica em carboidratos, açúcar e gordura;
  • Tabagismo;
  • Acúmulo de gordura na região abdominal.

Além disso, a diabetes do tipo 2 pode acontecer também com maior facilidade em pessoas com mais de 45 anos, que fazem uso de corticoesteroides, que possuem pressão alta, mulheres que possuem síndrome do ovário policístico, e pessoas com historia de familiar de diabetes.

Assim, devido à presença de um conjunto de fatores, é possível que o pâncreas diminua a produção de insulina ao longo do tempo, resultando em maiores níveis de glicose no sangue e favorecendo o desenvolvimento da doença.

Quais os exames para confirmar

O diagnóstico da diabetes mellitus tipo 2 é feito através do exame de sangue ou de urina, que avalia a taxa de glicose no organismo. Este teste geralmente é feito em jejum e deve ser realizado em 2 dias diferentes, para haver uma comparação entre os resultados.

Os valores de referência da glicose em jejum são de até 99 mg/dL no sangue. Já quando a pessoa possui valores de glicose em jejum entre 100 e 125 mg/dL, é diagnosticado com pré-diabetes e quando possui glicose em jejum superior a 126 mg/dL pode ter diabetes. Saiba mais sobre o resultado dos exames de glicose.

Como é feito o tratamento

A primeira forma de tratamento da diabetes tipo 2 é a adoção de um dieta equilibrada e com menos quantidade de açúcar e outras formas de carboidratos. Além disso, também é importante fazer exercício físico pelo menos 3 vezes por semana e perder peso no caso das pessoas com sobrepeso e obesidade.

Depois dessas orientações, caso os níveis de açúcar não fiquem regularizados, o médico pode aconselhar o uso de antidiabéticos orais, que são comprimidos que ajudam a controlar os níveis de açúcar no sangue.

Já o uso de insulina é a opção de tratamento para as pessoas que não conseguem manter o nível de glicose controlado somente com uso de medicações orais ou que não possam usar os antidiabéticos devido a outros problemas de saúde, como pessoas que tem insuficiência renal e não podem usar metformina, por exemplo.

Essas pessoas precisam manter uma verificação diária dos níveis de açúcar e administração de insulina correspondente para o resto da vida, na maioria dos casos, mas podem voltar a usar somente comprimidos se tiverem bom controle da glicemia.

Assista o vídeo a seguir e saiba que tipos de exercícios físicos podem ajudar a combater a diabetes:

Possíveis consequências da diabetes tipo 2

Quando o tratamento da diabetes não é iniciado a tempo, a doença pode causar várias complicações no organismo, relacionadas com o acúmulo de açúcar em vários tipos de tecidos. Algumas das mais comuns incluem:

  • Alterações graves da visão que podem levar à cegueira;
  • Má cicatrização de feridas que podem levar à necrose e amputação do membro;
  • Disfunções no sistema nervoso central;
  • Disfunções na circulação do sangue; 
  • Complicações cardíacas e coma.

Apesar dessas complicações serem mais frequentes em pessoas que não iniciam o tratamento indicado pelo médico, pode também acontecer em pessoas que estão fazendo o tratamento mas não da forma recomendada, o que pode continuar interferindo negativamente nos níveis de glicose e quantidade de insulina produzida no organismo.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES . Diretrizes 2017-2018. 2017. Disponível em: <https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/2017/diretrizes/diretrizes-sbd-2017-2018.pdf>. Acesso em 14 Jan 2020
Mais sobre este assunto: