Como é feito o tratamento para Enfisema Pulmonar

O tratamento para enfisema pulmonar é feito com o uso de medicamentos diários para expandir as vias aéreas, como broncodilatadores e corticóides inalatórios, indicados pelo pneumologista, sendo também muito importante a adoção de hábitos de vida saudáveis, principalmente evitando o fumo, além da realização de exercícios de reabilitação respiratória.

O enfisema pulmonar, que é uma das formas de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), é uma doença respiratória crônica e que não tem cura, e o seu tratamento é importante para reduzir os sintomas e reduzir a piora da doença, além de melhorar as condições de saúde e independência da pessoa afetada. Saiba identificar os sintomas do enfisema pulmonar.

Já nos casos mais graves, pode ser necessário o uso da máscara de oxigênio, por algumas horas ou de forma contínua, assim como pode ser indicada a realização de cirurgias para redução do volume pulmonar ou até transplante de pulmão.

Como é feito o tratamento para Enfisema Pulmonar

1. Broncodilatadores

O uso de medicamentos que dilatam as vias aéreas são a principal forma de tratamento do enfisema, geralmente, feitos na forma de bombinhas inalatórias. Alguns exemplos são:

  • Beta-2-agonistas de curta duração, como Fenoterol, Salbutamol e Terbutalina: são utilizados desde os estágios iniciais da doença, devendo ser inalados sempre que necessário ou que os sintomas piorarem;
  • Beta-2-agonistas de longa duração, como Formoterol: mais utilizados na fase intermediária da doença, em que os sintomas são mais prolongados, geralmente, utilizados diariamente;
  • Anticolinérgicos, como Brometo de Ipratrópio: costumam ser utilizados em conjunto com os beta-2-agonistas, para potencializar o efeito dilatador nos pulmões;
  • Metilxantinas, como Aminofilina e Teofilina: podem ser uma alternativa em casos mais graves, melhorando a capacidade respiratória, entretanto, por causar muitos efeitos colaterais, como náuseas, tremores e batimentos cardíacos acelerados, deve ser usado com cautela e com acompanhamento médico regular.

As bombinhas de medicamento já podem vir compostas pela combinação entre broncodilatadores ou em associação com os corticoides, para facilitar o uso e diminuir o número de doses, como no caso de exemplos como Seretide ou Alenia, por exemplo.

2. Glicocorticoides

Os remédios corticoides são usados, principalmente, na forma inalatória. O uso contínuo deste medicamentos, em conjunto com os broncodilatadores pode reduzir a piora da função do pulmões e o risco de complicações, devendo ser indicados pelo pneumologista.

Costumam ser usados 2 vezes ao dia, e já podem vir combinados com os broncodilatadores no mesmo medicamento. É recomendado enxaguar a boca após o uso, para diminuir o risco de infecções bucais, como a candidíase oral.

Os corticoides em comprimido não são recomendados para uso contínuo, pois causam muitos efeitos colaterais e poucos benefícios no tratamento da doença, devendo ser utilizados em casos de exacerbação da doença com infecção, podendo trazer benefícios para a recuperação.

3. Reabilitação pulmonar

É um programa de tratamento de fisioterapia que inclui exercícios para fortalecer a musculatura do peitoral e melhorar a capacidade respiratória, como exercícios para expansão pulmonar, alongamento dos músculos a respiração, conscientização da postura e da respiração correta, proporcionando uma melhor capacidade de realizar atividades do dia-a-dia. Saiba mais sobre este tipo de tratamento.

Além disso, é recomendada a realização de exercícios físicos, como caminhadas com acompanhamento profissional, após recomendação médica, para melhorar o condicionamento físico, aumentar a capacidade da respiração e diminuir os sintomas.

4. Oxigênio

O uso de cateter nasal de oxigênio é indicado somente nos casos mais graves, em que os pulmões já não conseguem suprir por si só a oxigenação do corpo. Eles são indicados pelo médico, e podem ser necessários durante algumas horas ou ao longo de todo o dia.

Como é feito o tratamento para Enfisema Pulmonar

5. Vacinas

Pessoas portadoras de enfisema pulmonar têm maior risco de adquirir infecções respiratórias, o que deve ser evitado, tanto por se tornarem mais graves nestes pacientes como por proporcionarem a piora do enfisema durante as crises.

Por isso, é indicado que pessoas com DPOC recebam vacina contra Influenza anualmente, e contra infecções por pneumococos, evitando casos de pneumonia e riscos a vida. Também estão indicadas as vacinas contra gripe anualmente.

6. Outros remédios

A N-acetil-cisteína pode ser indicado em muitos casos, devido às suas propriedades antioxidantes e redutora de muco.

Já os antibióticos podem ser necessários em caso de infecção respiratória provocadas por bactérias, o que não é incomum nos pacientes com DPOC.

7. Cirurgia

Embora seja mais raro, em alguns casos mais graves, o médico pode aconselhar fazer uma cirurgia para retirar as partes mais afetadas do pulmão, permitindo que as regiões saudáveis se expandam melhor e funcionem de forma mais adequada, entretanto, esta cirurgia só é feita em alguns casos muito graves e em que a pessoa consiga tolerar este procedimento.

O transplante de pulmão também pode ser uma possibilidade em casos específicos, indicados pelo médico.

8. Parar de fumar

Embora não seja propriamente um tratamento, o fumo é uma das principais causas de enfisema pulmonar e, por isso, pessoas que sofrem com enfisema pulmonar devem parar com o uso de cigarro.

Até mesmo o fumo passivo ou inalação de fumaça industrial, poluição, são um risco no desenvolvimento do enfisema. Então, pode-se incluir no tratamento medicamentos que ajudam a reduzir ou parar o consumo de tabaco, sendo uma das principais metas de tratamento fazer com que a pessoa com enfisema pulmonar deixe totalmente de fumar.

9. Dieta

A alimentação também pode ajudar bastante a melhorar a respiração, já que os carboidratos, a gordura e as proteínas, ao serem consumidos, consomem oxigênio e liberam dióxido de carbono. E uma vez que as pessoas com enfisema pulmonar têm dificuldade nas trocas gasosas no pulmão, a alimentação também pode ajudar a facilitar esse processo.

Um dos nutrientes que mais consome oxigênio e libera dióxido de carbono é o carboidrato. Dessa forma, é recomendado que, pessoas com enfisema, reduzam a quantidade de carboidratos da alimentação, especialmente de açúcar simples, presente em alimentos como biscoitos, balas, bolos e outros doces. Deve-se, assim, dar preferência para alimentos ricos em fibras e gorduras boas, que consomem menos oxigênio, como é o caso do abacate, salmão, atum, sardinha ou azeite.

De qualquer forma é importante consultar um nutricionista para fazer um plano nutricional bem adaptado, que responda a todas as necessidades. Isto porque, pessoas com doenças respiratórias e que fazem tratamento com corticoides podem ainda ter diminuição dos níveis de cálcio e vitamina D, que podem ser repostos com a alimentação.

Sinais de melhora

O enfisema não tem cura e, por isso, os sintomas não desaparecem completamente. No entanto, caso o tratamento seja feito da maneira correta, após alguns dias já é possível notar uma diminuição em quase todos os sintomas, como sensação de falta de ar, dor no peito ou tosse.

Além disso, com o tratamento, pode haver menor dificuldade para fazer atividades que se tornaram muito cansativas, como fazer caminhadas.

Sinais de piora

Os sinais de piora são mais comuns nos casos em que o tratamento não está sendo adequado ou quando a doença progride e se torna muito grave, o que é mais comum em casos em que o diagnóstico demorou para ser feito.

Estes sinais incluem dificuldade extrema para respirar, dedos azulados, rosto com coloração arroxeada e chiado intenso ao respirar. Nestes casos, é aconselhado ir imediatamente ao hospital para iniciar o tratamento adequado e evitar complicações graves, como a parada cardiorrespiratória.

Opção de tratamento natural

Um tratamento para enfisema pulmonar que pode ser feito em casa, é aprender um exercício de fisioterapia chamado freno labial e realizá-lo várias vezes ao dia, como forma de complementar o tratamento orientado pelo médico, jamais substituindo-o. Para isso, basta inspirar profundamente e soltar o ar pela boca com os dentes entreabertos e os lábios semicerrados de forma a movimentá-los com o ar que sai pela boca.

Este simples exercício fortalece os músculos expiratórios e ajuda a eliminar completamente o ar dos pulmões, permitindo que mais oxigênio entre na inspiração seguinte e, de preferência, deve ser orientado pelo fisioterapeuta.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Manuel Reis, Enfermeiro em Dezembro de 2019. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra, Médica de Saúde Familiar em Dezembro de 2019.

Bibliografia

  • AMERICAN LUNG ASSOCIATION. Nutrition and COPD. Disponível em: <https://www.lung.org/lung-health-and-diseases/lung-disease-lookup/copd/living-with-copd/nutrition.html>. Acesso em 06 Dez 2019
Mais sobre este assunto: