3 exercícios para ajudar o feto a virar de cabeça para baixo

Para ajudar o bebê a virar de cabeça para baixo, para que o parto possa ser normal e diminuir o risco de displasia congênita de quadril, a grávida pode fazer alguns exercícios a partir das 32 semanas de gestação, com o conhecimento do obstetra. Conheça o desenvolvimento do bebê com 32 semanas de gravidez.

Estes exercícios usam a gravidade e promovem o alongamento dos ligamentos pélvicos, favorecendo a rotação do bebê, ajudando-o a ficar de cabeça para baixo.

Exercício 1

3 exercícios para ajudar o feto a virar de cabeça para baixo

Colocar um colchão ou almofada no chão. Na posição de quatro apoios, baixar a cabeça e levantar o bumbum, ficando apenas com a cabeça e os braços apoiados no chão. Deve-se ficar nesta posição durante 10 minutos, e repetir o exercício cerca de 3 a 4 vezes por dia.

Exercício 2

Exercício 2
Exercício 2

Colocar uma almofada no chão, perto da cama ou do sofá e com os joelhos dobrados em cima da cama ou do sofá, inclinar o corpo para a frente até chegar com as mãos no chão. Apoiar a cabeça nos braços, que devem estar em cima da almofada e manter os joelhos firmes na beira da cama ou do sofá.

Deve-se ficar nesta posição durante 5 minutos durante a primeira semana, aumentando nas seguintes, até chegar aos 15 minutos, repetindo 3 vezes por dia.

Exercício 3

3 exercícios para ajudar o feto a virar de cabeça para baixo

Deitar no chão com as pernas dobradas e depois elevar o quadril até à altura máxima que se conseguir. Se necessário, colocar uma almofada por baixo das costas para ajudar a ficar com o quadril elevado. Deve-se ficar nesta posição cerca de 5 a 10 minutos e fazer 3 vezes por dia.

Como se preparar para os exercícios

Para se preparar para os exercícios, a grávida deve:

  • Estar com o estômago vazio para não ficar com azia ou enjoada. Saiba quais os remédios caseiros usados para azia na gravidez;
  • Conversar com o bebê e esperar alguma movimentação fetal, para garantir que ele está acordado;
  • Usar roupa confortável;
  • Estar acompanhada, para que os exercícios sejam feitos corretamente e em segurança.

Além disso, estes exercícios devem ser feitos todos os dias até o bebê ficar de cabeça para baixo, posição que pode ser verificada no ultrassonografia. No entanto, é comum a gestante sentir o bebê virar durante ou depois dos exercícios. 

Como saber se o bebê encaixou

Isto acontece quando a cabeça do bebê começa a descer na orla pélvica, em preparação para o parto e ocorre por volta da 37ª semana de gravidez. 

Para saber se o bebê encaixou, o médico pode fazer uma palpação do abdômen, para verificar se a cabeça começou a encaixar. Se três ou quatro quintos da cabeça se sentirem acima do osso púbico, o bebê não está encaixado, mas se se sentir apenas um quinto, significa que o bebê já está profundamente encaixado.

Além do exame médico que pode confirmar que o bebê encaixou, a grávida pode também sentir ligeiras diferenças. A barriga fica mais baixa e como existe mais espaço para os pulmões se expandirem, ela respira melhor. No entanto, a pressão na bexiga pode aumentar, fazendo com que a futura mãe tenha vontade de urinar com mais frequência ou sinta dores pélvicas. Veja como identificar outros sinais.

E se o bebê não virar até às 37 semanas de gravidez?

Se mesmo ao realizar estes exercícios o bebê não virar sozinho, o médico pode optar por fazer uma versão cefálica externa, que consiste em virar o bebê através de manobras específicas na barriga da gestante. Neste caso, o médico administra pela veia um remédio para evitar as contrações e usa esta técnica para que o bebê dê uma cambalhota dentro do útero, ficando de cabeça para baixo:

3 exercícios para ajudar o feto a virar de cabeça para baixo

No entanto, a posição sentada do bebê não contraindica totalmente o parto normal, e com a ajuda devida, a mulher pode conseguir dar a luz ao bebê nesta posição. Veja como é o parto pélvico e quais os riscos deste procedimento.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde em Agosto de 2020. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias, Ginecologista em Maio de 2019.
Mais sobre este assunto: